Guerra na Ucrânia: O mundo protesta, o Kremlin não reage - De Olho na Cidade 24hs

Breaking

De Olho na Cidade 24hs

Notícias de Sobral, Ceará, Brasil e Mundo

test banner

Post Top Ad

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, 3 de março de 2022

Guerra na Ucrânia: O mundo protesta, o Kremlin não reage

Carcóvia - AFP

Especialistas sobre a situação da sociedade civil russa e o que poderia parar Putin hoje

Disponível em áudio

Diariamente em todo o mundo, uma onda de protesto contra o ataque não provocado da Rússia à Ucrânia e o bárbaro bombardeio de cidades ucranianas por tropas russas está crescendo e se expandindo. 


Na véspera da Assembleia Geral da ONU, em sessão de emergência, por esmagadora maioria, aprovou uma resolução condenando a invasão armada russa de um país vizinho e instou Moscou a retirar imediatamente suas tropas do território ucraniano.

141 dos 193 estados membros da ONU apoiaram a resolução. Rússia, Bielorrússia, Síria, Coreia do Norte e Eritreia votaram contra.


Linda Thomas- Greenfield
Linda Thomas- Greenfield

 A representante permanente dos EUA na ONU, Linda Thomas- Greenfield, fez uma declaração na quinta-feira sobre a situação dos refugiados na Ucrânia.


“Hoje passamos por um marco sombrio na guerra que Vladimir Putin de sua escolha desencadeou contra a Ucrânia”, disse Thomas-Greenfield. “À medida que as baixas civis e o número de mortos aumentam, mais de um milhão de pessoas deixaram a Ucrânia para buscar refúgio em países vizinhos.”


De acordo com o enviado dos EUA à ONU, o mundo inteiro exige que a Rússia siga as leis humanitárias internacionais que proíbem atingir intencionalmente a população civil e a infraestrutura civil e forneça às organizações humanitárias acesso total e seguro àqueles que precisam de ajuda. “Em última análise, depende de Putin quando a catástrofe humanitária terminar e quando essa guerra e esses ataques impensáveis ​​contra o povo da Ucrânia terminarem”, resumiu Thomas-Greenfield.


Apesar de todos os apelos da comunidade mundial de Moscou, não há sinais otimistas na direção oposta.


“Infelizmente, não há restrições para Putin até agora”


As ações de Putin são, em princípio, muito difíceis de explicar racionalmente, diz Andrey Kolesnikov , chefe do programa de Políticas Domésticas e Instituições Políticas da Rússia no Carnegie Moscow Center.

Segundo ele, a própria invasão das tropas russas na Ucrânia foi um ato absolutamente irracional.

Andrey Kolesnikov
Andrey Kolesnikov 

“Em primeiro lugar, não era razoável e, em segundo lugar, ocorre sem um objetivo claramente definido e compreensível e sem calcular as consequências mais graves, principalmente para as pessoas comuns e a economia”, explicou ele em entrevista ao Serviço Russo da Voz da América.

– Portanto, agora vemos a continuação da mesma linha de irracionalidade. Mesmo que a decisão da Assembleia Geral da ONU não tenha nenhum efeito sobre o presidente, então, acho, que praticamente nada mais pode detê-lo, exceto, talvez, a intervenção do líder chinês. Mas ele não parece querer se envolver."

Há uma sensação de que Putin está acumulando cada vez mais emoções negativas e está realmente pronto para “ir até o fim”, afirmou Andrey Kolesnikov. No entanto, em sua opinião, o que isso significa no contexto atual também não é claro. "Mesmo que as tropas tomem Kiev, ainda não está claro qual é o fim da operação e seu significado", acrescentou. “Então, acho que, infelizmente, até agora não há restrições para Putin.”

Ao mesmo tempo, o cientista político observou que um movimento antiguerra de massa ainda não foi formado na Rússia. Segundo ele, pessoas modernas normais, em sua maioria pertencentes à classe média, se opõem à guerra, mas até agora, Putin tem um apoio bastante significativo entre a população, segundo pesquisas de opinião. “A raiva patriótica ainda não passou. Provavelmente, a epifania não virá imediatamente, talvez em um mês ou dois. A situação pode mudar drasticamente no caso de uma acentuada deterioração da situação socioeconómica das pessoas. Sem contar que uma longa operação militar com baixas pode causar descontentamento, inclusive entre a parte mais fiel da população”, resumiu Andrey Kolesnikov.

“Literalmente a cada dia e a cada hora a situação da Rússia piora”


O principal problema é que mesmo aqueles na liderança russa que entendem a necessidade urgente de acabar com a guerra e retirar as tropas com urgência, obviamente, simplesmente não conseguem convencer a primeira pessoa, disse Boris Kagarlitsky , diretor do Instituto de Globalização e Movimentos Sociais . Em sua opinião, prolongar o conflito funciona contra Moscou. “Além disso, literalmente a cada dia e a cada hora a posição da Rússia está piorando, não apenas no sentido econômico, mas também no militar”, especificou o interlocutor da Voz da América. “A Ucrânia continua a receber um fluxo de armas modernas do Ocidente e, em seguida, haverá um fluxo de voluntários, entre os quais certamente haverá um grande número de profissionais militares motivados e bem treinados.”


De fato, surge uma situação em que quanto mais cedo Putin retirar as tropas da Ucrânia, melhor será para os interesses nacionais da Rússia, diz Boris Kagarlitsky: “Mas, aparentemente, ninguém pode agora convencer uma pessoa em particular que dá todas as ordens, pelo menos até agora ninguém conseguiu. Portanto, as negociações com o lado ucraniano não dão em nada. Talvez parte da liderança russa, sob pressão do Ocidente, esteja bastante disposta a negociar (com Kiev) em termos mutuamente aceitáveis. Mas, repito, tudo é decidido por uma pessoa, então as negociações parecem estar condenadas.”


Os objetivos da chamada "operação especial" em andamento são absolutamente inatingíveis, o sociólogo está convencido. “Além disso, as tentativas de implementá-los são contraproducentes”, acrescentou. - As tarefas fundamentais do Kremlin eram colocar a Ucrânia sob controle político e fazer relações públicas em uma pequena guerra vitoriosa. Falha completa em ambas as frentes. A Ucrânia tornou-se ainda mais próxima do Ocidente, os ucranianos tornaram-se muito mais consolidados do que antes do início das hostilidades. Com uma guerra vitoriosa, há também uma costura clara.


Lembre-se que em 1º de março, a União Européia aceitou o pedido da Ucrânia para entrada acelerada na organização.

Boris Kagarlitsky
Boris Kagarlitsky

A continuação das hostilidades só agravará a situação, insiste Boris Kagarlitsky. “A guerra se arrasta, e de forma desfavorável para a Rússia, porque revela as fraquezas de sua máquina militar. Isso prova mais uma vez uma verdade simples: com uma economia fraca, um exército forte é impossível. Porque quando uma guerra real começa, acontece que não há munição, equipamento e pessoas suficientes. Em teoria, é necessário reconhecer o fracasso de todo o empreendimento. Mas as autoridades russas nunca admitiram suas derrotas, embora as sofram a cada passo”, concluiu o diretor do Instituto de Globalização e Movimentos Sociais.


Sobral Notícia | Mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here