Pornografia infantil aumenta após lockdowns aponta IWF - De Olho na Cidade 24hs

Breaking

De Olho na Cidade 24hs

Notícias de Sobral, Ceará, Brasil e Mundo

test banner

Post Top Ad

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sexta-feira, 27 de janeiro de 2023

Pornografia infantil aumenta após lockdowns aponta IWF

Pornografia infantil
Imagem de IWF

Novos dados IWF apontam aumento de dez vezes mais, em pornografia infantil, desde os lockdowns.


A Internet Watch Foundation (IWF) diz que seus dados destacam como os predadores se aproveitaram da situação.

Os sites de mídia social explodiram em popularidade no início de 2020, quando a pandemia começou.

No ano passado, a IWF registrou mais de 63.000 páginas da Web mostrando o material, em comparação com 5.000 antes da pandemia.

“Durante a pandemia, a internet foi uma tábua de salvação, mas só agora estamos desvendando todos os efeitos”, disse a executiva-chefe da IWF, Susie Hargreaves.

“O que está claro para nós é que as crianças mais novas estão sendo levadas a situações abusivas por predadores vorazes, muitas vezes enquanto estão em seus próprios quartos”.

No geral, a IWF rastreia, investiga e tenta remover centenas de milhares de incidentes de material de abuso sexual infantil de toda a Internet em todo o mundo.

A instituição de caridade diz estar confiante de que o aumento no material autogerado que está vendo se deve a um aumento na atividade, porque os níveis de relatórios permaneceram relativamente semelhantes nos últimos anos.

Vídeos e imagens autogerados de abuso infantil agora representam dois terços das imagens investigadas por analistas.

Isso se refere a imagens de crianças abusando sexualmente de si mesmas na câmera enquanto coagidas por um predador na Internet.

Os pesquisadores dizem que muitos dos vídeos são gravados ou transmitidos ao vivo de quartos ou banheiros, com sons de uma casa movimentada ao fundo.

Eles geralmente são feitos em um chat ao vivo e gravados sem o conhecimento da criança para serem compartilhados e vendidos por pedófilos.

A IWF é uma organização sediada no Reino Unido e diz que muitas vezes é difícil determinar onde as crianças moram nos vídeos. No entanto, repassa os casos às autoridades se um uniforme escolar ou outros identificadores estiverem visíveis.

Das imagens, que a instituição de caridade estima serem de crianças de sete a 10 anos, mais de 8.000 itens continham o que é classificado como material de categoria A.

Este é o tipo mais grave e pode incluir atividade sexual com penetração, imagens envolvendo atividade sexual com um animal ou sadismo.

Em um vídeo visto por analistas da IWF, uma menina de nove anos é instruída por adultos em uma plataforma online a realizar atos sexuais enquanto está em seu quarto cercada por brinquedos fofinhos.

Ela é convidada a realizar desafios "super sujos" por uma webcam e é interrompida quando um suposto membro da família, alheio ao abuso que está ocorrendo, liga para pedir que ela prepare um banho para seu (suposto) irmão mais novo.

A IWF está pedindo ao governo do Reino Unido que faça mais para proteger as crianças por meio do adiado Projeto de Lei de Segurança Online.

O projeto de lei está sendo alterado para tornar os chefes de plataformas de tecnologia potencialmente responsáveis ​​criminalmente por qualquer falha na prevenção, identificação e remoção de conteúdo de exploração e abuso sexual infantil.

Mas a IWF diz que o material que processa vem de todo o mundo e a maior parte não está hospedada no Reino Unido.


Fonte: BBC


Sobral Notícias | #Tecnologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here